9 Dicas simples para prevenir ou aliviar as varizes

As varizes podem ter várias causas, desde idade, genética, inatividade física, ocupação ou algum trabalho que obrigue a ficar de pé, gravidez ou sobrepeso, e elas surgem em decorrência de um mal funcionamento das válvulas que acabam fazendo com que o sangue se acumule, não retornando ao coração.

Dentre os sintomas, podemos citar inchaço, sensação de “peso”, dor e edema nas pernas como os mais comuns.

Além desses sintomas, o aspecto desagradável das veias dilatadas e salientes nas pernas acaba, na maioria das vezes, interferindo, também, na autoestima das mulheres.

Quer conhecer algumas dicas para proteger suas pernas e evitar o surgimento  ou agravamento das varizes? Confira abaixo.

1. Não fique muito tempo numa mesma posição

Ficar muito tempo de pé, todos os dias, ou mesmo sentado, pode aumentar em 60% o risco de ter varizes, já que possibilita o acúmulo de sangue.

Ao se sentar, procure apoiar os pés no chão ou cruzar os tornozelos, evitando cruzar as pernas nos joelhos, pois isso comprime e fecha as veias, dificultando o fluxo sanguíneo.

Se trabalhar sentado, procure se esticar e flexionar os pés para favorecer a circulação.

Se trabalhar horas de pé, procure a cada hora ficar na ponta dos pés, sustentando o peso ora com um pé, ora com o outro, flexionando as pernas e caminhando sem sair do lugar.

2. Procure elevar as pernas

Certamente, ninguém pode passar o dia todo com as pernas elevadas, a dica, portanto, é deitar-se em casa, ao menos, uma vez por dia, na hora de dormir, ou enquanto assiste TV, levantando as pernas acima do nível do coração, apoiando-as em almofadas ou contra a parede. Essa posição permite que o sangue vá para o coração sob a ação da gravidade, em vez de se acumular nas veias das pernas e dos pés.

3. Emagreça

Para não sobrecarregar as veias,  é preciso se manter no peso adequado. Pesquisas apontam que o sobrepeso e a obesidade aumentam, em até 58%, o risco de varizes segundo. A dica é se exercitar, assim além de emagrecer também reduzirá o risco de problemas venosos.

4. Se exercite

Até para emagrecer, os exercícios favorecem quem sofre de varizes ou tem propensão a tê-las. Se falar que o exercício físico, mesmo que bem leve, é fundamental para prevenir outros problemas circulatórios.

5. Viagens mais longas exigem atenção

Ficar parado numa mesma posição, por longos períodos de tempo, pode ser perigoso. Por isso, em viagens mais longas, procure movimentar a pernas algumas vezes durante o percurso, e em viagens de ônibus ou carro, aproveite  as paradas para sair do veículo e caminhar um pouco.

6. Aposte em meias elásticas

Aposte em meias elásticas, pois elas comprimem as pernas, diminuindo o acúmulo de sangue e, dessa forma, ajudam a aliviar a dor e, até mesmo, a prevenir as varizes.

Antes de usar, no entanto, consulte seu médico.

Uma coisa interessante é fazer o uso do creme varigold além do uso da meia, mas antes recomendo que leia a bula do varigold antes de fazer o uso dele juntamente com a meia.

7. Evite usar salto alto constantemente

Embora nenhum estudo comprove que um salto agulha alto possa causar varizes, sem dúvida, ele diminui a capacidade dos músculos da panturrilha para bombear o sangue para o coração ao caminhar.

8. Invista em Massagens

Massagens ajudam a irrigar o sangue, por isso, investir em massagens é uma boa medida para amenizar o desconforto causado pelas varizes. Procure fazer massagens de baixo para cima nas pernas, de preferência, usando loções com álcool e extrato de arnica.

9. Evite fazer força no banheiro

Evite fazer muita força na hora de defecar, pois isso aumenta a pressão nas veias das pernas. Segundo pesquisas, essa força quase duplica o risco de problemas venosos nos homens. A dica, para facilitar a evacuação, é procurar beber bastante água durante o dia e aumentar a ingestão de fibras.

Próstata “irritada”, o que é e como tratar

Para entender o que é próstata irritada, ou prostatite, primeiramente, é preciso saber que a próstata é uma glândula, bem pequena, localizada logo abaixo da bexiga e na frente do reto, envolvendo a uretra que é o tubo que transporta a urina da bexiga, sendo a responsável por produzir a maior parte do sêmen.

Como é possível imaginar, sua localização sugere que qualquer problema apresentado por essa glândula, certamente, irá afetar alguns importantes órgãos.

Assim, quando ocorre a Próstata irritada, que é a inflamação da próstata, isso pode gerar muita dor e inchaço, além de problemas de micção, disfunção sexual e problemas gerais de saúde, como cansaço e depressão.

Diagnóstico

O diagnóstico da próstata irritada é feito após o médico examinar a próstata do paciente e da coleta de sua urina.

Para o exame da próstata, o médico realizará um exame retal digital, feito através da inserção de um dedo enluvado, devidamente lubrificado, no reto, para verificar qualquer anormalidade nessa glândula.

Geralmente, durante esse exame, o  médico aproveita para coletar uma amostra do fluido da próstata, para que seja analisado.

Dependendo do caso, dos sintomas relatados, o médico também pode querer realizar um teste de antígeno específico da próstata, para verificar a quantidade deste produto químico no sangue.

Lembrando que tanto a próstata irritada quanto o câncer de próstata podem aumentar o nível de PSA do paciente.

A incidência de Próstata irritada

De acordo com pesquisas, sobre a incidência de próstata irritada em homens durante sua vida útil, ela chega a 50%.

Esses mesmos estudos indicam que cerca de 5% a 10% dos homens experimentarão próstata irritada, ou prostatite,  em algum momento, fasendo dessa uma das doenças urológicas mais comuns.

Tipos de Próstata irritada

Durante anos a próstata irritada, ou prostatite foi subdividida em diversas categorias, porém, atualmente, ela está sendo dividida nas seguintes categorias:

  • Bacteriana
  • Aguda
  • Crônica

Tipo mais comum

Dentre todas as categorias, o tipo mais comum de próstata irritada, ou prostatite é a prostatite não bacteriana.

Sintomas de Prostatite não bacteriana

Dentre todos os sintomas, os mais comuns são micção freqüente e dor no abdome inferior ou na região lombar. E estresse e atividade sexual irregular estão entre as principais causas.

  • Tratamentos

O tratamento mais comum pode incluir medicamentos anti-inflamatórios ou relaxantes musculares, tomar banhos quentes, beber líquidos extras, aprender a relaxar ao urinar e ejacular com freqüência. Em alguns casos pode também ser recomendada alguma mudança na dieta.

Sintomas da Prostatite bacteriana aguda

Os sintomas mais comuns são febre e calafrios, dor lombar, micção frequente e dolorosa, fluxo fraco ao urinar e micção pouco frequente.

Alguma bactéria, vírus ou uma doença sexualmente transmissível estão entre as principais causas desse tipo de prostatite.

  • Tratamentos

O tratamento desse tipo de prostatite, geralmente, inclui antibióticos, repouso no leito, amaciante das fezes e aumento da ingestão de líquidos.

Sintomas da Prostatite crônica

Os sintomas vão desde infecções freqüentes da bexiga, micção freqüente e dor persistente na região inferior do abdômen ou nas costas.

A causa pode ser bacteriana ou uma inflamação da próstata.

  • Tratamentos

O tratamento desse tipo de prostatite, geralmente, é feito com o uso de medicamentos ou suplementos naturais (geralmente antibióticos), mudanças na dieta e suplementos, veja o melhor suplemento para próstata que existe no mercado e escolha para fazer o uso de forma natural e sem correr risco a sua saúde.